domingo, 16 de abril de 2017

Sobremesas // Desbananando discussões

Responda rápido: sobremesa, pode ou não pode? Como você escolhe os doces que vai comer quando bater aquele desespero? Como você se sente depois de comer uma senhora fatia de torta?



Quando pensamos em sobremesa a primeira definição que vem à mente e que muito bem poderia estar descrita no nosso dicionário é: 

so.bre.me.sa: s.f. Preparação nada saudável, mas bom pra ca(cilda), cheia de açúcar e gordura, que-merda-eu-queria-comer-até-morrer-sem-me-preocupar-em-engordar.

**

Não é assim? Pois é importante lembrar também que essa "necessidade" que sentimos pelo doce é algo fisiológico, é nosso corpo pedindo glicose geralmente depois de uma enxurrada de sódio. Então, refletindo aqui, poderíamos dizer que o que temos atualmente são dois tipos de sobremesa:

1. Sobremesa tradicional, maravilhosa, de comer ajoelhado, e com mil calorias (que nos deixam com a consciência pesada e o estômago doendo devido à quantidade consumida - os sem-vergonha não se contentam com pouco).
2. Sobremesa versão light/fit, com ingredientes que não casam, que não tem gosto nenhum, e que as pessoas consomem apenas para enganar a vontade (que era de devorar uma torta de chocolate com doce de leite, e se não for pedir muito, cobertura de Oreo). Um bom exemplo são os negrinhos de whey, daimepaciênciasenhor.

**

Eu gosto de acreditar, no entanto, que existe um terceiro tipo, um tipo que engloba sobremesas de sabor delicioso mas que também nos traz benefícios nutricionais. Uma sobremesa "duplamente feliz". Sim, esse tipo também existe. E QUE FIQUE BEM CLARO AQUI: alguns dias vamos comer essa sobremesa "do bem" (digamos assim pois odeio a nomenclatura "fit" e também não sou muito adepta do termo "funcional"); outros dias vamos comer as do tipo 1, aquelas que engordam mesmo, porém são capazes de alimentar nossa alma com toda voracidade possível; mas jamais, na minha humilde opinião, vamos comer as do tipo 2, sem gosto, sem textura, sem consistência.

Descobri há alguns dias um bom exemplo de uma sobremesa "do bem": essa Torta de Cacau do Caminho Orgânico! Na massa tâmaras e castanhas (o que me remeteu diretamente às barrinhas LOVE, da Harts, feitas à base de tâmaras e algumas oleaginosas). O mousse leva abacate, cacau, leite de coco, biomassa (que eu sei, sounds gross mas não é usada para dar sabor, até porque ela não tem sabor, é usada somente para dar consistência de mousse, uma per-fei-ta consistência de mousse) e açúcar mascavo. Essa é a lista dos ingredientes na íntegra. E quem já provou sabe do que estou falando: trata-se de uma sobremesa leve, muito saborosa e nutricionalmente fantástica! Então, seguindo o pensamento Rita Lobo, negrinho é feito com leite condensado, cheesecake leva sim cream cheese, creme de leite e mais um monte de ingredientes “bomba” e torta de chocolate é com chocolate e não com "farinha de uva misturada com cacau, whey e gelatina sem sabor". 



Obviamente todas essas delícias devem ser consumidas com moderação, em datas especiais e não todo dia após o almoço (muitas vezes diminuindo o consumo de arroz, feijão e carne para poder comer a sobremesa sem culpa, o que é um erro maior ainda). Se quiseres comer algo no dia-a-dia, vais ter que praticar exercícios físicos regulares e encontrar alternativas como essa que citei. Profissionalmente sempre indiquei que se criasse o hábito do cafézinho ou do cházinho pós-almoço. Eles servem para "sinalizar" ao nosso corpo que a refeição acabou, da mesma forma que a sobremesa faz. Infelizmente não podemos nos dar ao luxo de comê-las todos os dias, então façamos o seguinte: nos dias de semana, vamos caprichar na comida de panela e esquecer que essas gordelícias existem. Nos finais de semana vamos escolher a torta mais linda e saborosa da padaria. Mas por favor, não me venha com cupcake sem glúten, sem lactose e com recheio sem gosto algum. Essa vida é linda, e ela merece SABOR!

BEIJOS DOCES da Dé e da Gi

:)